A CASA-MUSEU

A actual Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves, um projecto do arquitecto Norte Júnior datado de 1904-05, foi mandada construir pelo pintor José Malhoa para sua casa de habitação e atelier de trabalho.
A primeira casa-de-artista da capital, Prémio Valmor em 1905, integrava-se urbanisticamente no plano de crescimento da cidade de Lisboa. Exteriormente, a fachada é constituida por três corpos distintos mas articuláveis entre si pelas gramáticas arquitectónica e decorativa utilizadas. Ao centro, destaca-se o grande janelão (correspondendo ao atelier), sobre o seu lado esquerdo, num plano recuado, localiza-se a porta de entrada da casa, uma escada com um pequeno alpendre, do lado oposto, destacada do conjunto, o núcleo correspondendo à sala de jantar. A decoração das fachadas adquire uma grande importância pelo cuidado dado ao pormenor na criação de um ritmo harmonioso e coerente entre os diversos elementos empregues. Eles articulam-se com o jogo de janelas e vazamentos que pululam por todo o edifício entre elementos neo-românicos, persistências da “casa à portuguesa” e gosto Arte Nova, como exemplifica o trabalho de ferro forjado do portão principal da casa executado segundo desenho do próprio arquitecto.

De realçar, igualmente, o vitral, de origem francesa, encomendado para a janela da sala de jantar e salinha anexa ao atelier.
Em 1932, a “Casa-Malhoa” é adquirida pelo Dr. Anastácio Gonçalves onde vive e organiza a sua colecção até à data da sua morte, 1965. Ao ser integrada nos bens do Estado em 1969, por desejo do coleccionador, a casa já demonstrava algumas alterações no interior, não existentes no projecto inicial de Norte Júnior, de que é exemplo a transferência da cozinha e dependências para a cave.
Depois das obras de adaptação aos novos fins museológicos, a Casa-Museu abre ao público em 1980. No entanto, as crescentes exigências de uma instituição como esta justificam um novo projecto de obras de ampliação e em 1996, com projecto dos arquitectos Frederico e Pedro George, anexa-se ao original espaço do museu uma moradia contígua também assinada por Norte Junior. O novo espaço possibilitou, então, o alargamento dos serviços disponibilizados ao público tais como zona para loja, cafetaria ou espaço de acolhimento e salas para exposições temporárias.
A Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves reabriu em Dezembro de 1997 com a configuração actual.